A REVISTA BRASILEIRA DE AVIAÇÃO MILITAR   

Nas Bancas
Clique na capa para vê-la maior
Edição nº 106

Jun./Jul.


 Capa
 Neste Número
 Nº Anteriores
 Action Editora
 Links
 Contato
Edição nº 106  
 Julho de 2017

Editorial

-Em 1906 Alberto Santos Dumont voou pela primeira vez numa rudimentar máquina mais pesada do que o ar. -Em 1916 aviões de madeira e tela, armados com metralhadoras orgânicas e executando manobras acrobáticas já combatiam uns com os outros sobre o front ocidental. -Em 1926 aeronaves já faziam voos intercontinentais e já haviam dado a volta ao mundo. -Em 1936, os aviões de combate já eram fabricados em alumínio, eram monoplanos com estruturas monocoque e cabines fechadas. -Em 1946, após um enorme avanço na área de desempenho, aviões já utilizavam a propulsão a jato. -Em 1956, já havia sido quebrada a barreira do som. -Em 1966 aviões de caça já utilizavam mísseis ar-ar, radares aeroembarcados relativamente sofisticados e os primeiros sistemas de enlace de dados. -Em 1976 os mísseis ar-ar, dotados de radares próprios começavam a buscar alvos além do alcance visual. -Em 1986 aeronaves de combate já possuíam propulsão superior ao seu peso permitindo enormes avanços no desempenho vertical. -Em 1996 a revolução digital promoveu uma verdadeira transformação na aviônica embarcada permitindo maior capacidade de gerenciamento da missão ao piloto na aeronave. -Em 2006 as aeronaves de combate começaram a operar num sistema centrado em redes, com aeronaves de controle e alerta em voo, satélites e sofisticados sistemas de comando e controle integrados.-Em 2016 aeronaves remotamente tripuladas já eram capazes de pousar por conta própria em porta-aviões, realizar de forma autônoma o reabastecimento em voo e atingir alvos estáticos e móveis no solo. Estes marcos, que podem ser agregados por inúmeros outros saltos tecnológicos exponenciais ocorridos na área aeroespacial e de defesa, demonstram claramente a capacidade de inovação e desenvolvimento atingida pelo ser humano. Nos permitem também, enxergar o que são 10 ou 20 anos empregados na escolha e adoção de sistemas que visam garantir a defesa de um país. A única certeza daqui para a frente? Os saltos tecnológicos ocorrerão em períodos muito menores do que no passado, buscando acompanhar ameaças muito mais sofisticadas, e, grande parte do que hoje é convencional, em muito pouco tempo estará ultrapassado. O que não vai mudar, mas apenas sofrer uma aceleração será a necessidade de encontrar-identificar-autorizar-designar e alvejar uma determinada ameaça, seja ela real ou virtual. E é esse o foco que deve guiar as políticas, aquisições e esforços das forças que irão defender uma nação.

 


Índice

OPERAÇÃO OSTIUM        
Clique na Imagem para vê-la Maior
A FAB Contra as Drogas na Fronteira!
Por: Leandro Casella

A Força Aérea Brasileira (FAB) está realizando a maior operação de sua história nas fronteiras do país, tanto no que diz respeito a seu tempo de duração, quanto na extensão da faixa territorial que está sendo coberta. O objetivo: coibir 100% dos voos ilícitos sobre o que é conhecido como a fronteira seca, e para tal, numa primeira fase, deslocou efetivos para os estados do Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina. Trata-se da Operação OSTIUM, que irá durar ao menos um ano, e que envolve meios aéreos do tipo AH-2 Sabre, H-60L Black Hawk, Hermes RQ-450, Hermes RQ-900, Embraer E-99 e A-29 Super Tucano.   Pág. 32

À Perfeição        
Clique na Imagem para vê-la Maior
Assim Treina a RAF
Por: Philip Stevens

A RAF é sem dúvida uma das mais importantes e operacionais forças aérea do planeta e em breve irá colocar em serviço o Lockheed F-35, o mais moderno caça da atualidade. Mas como são formados seus pilotos? É o que veremos a seguir.   Pág. 22

MOKED!!! Junho de 1967        
Clique na Imagem para vê-la Maior
A Guerra dos Seis Dias: O Mais Ousado dos Ataques!
Por: Rudnei Dias da Cunha

No dia 5 de junho de 1967, a Força Aérea de Israel destruiu mais de 350 aeronaves das forças aéreas do Egito, Síria, Iraque e Jordânia, virtualmente aniquilando-as e garantindo a vitória israelense na Guerra dos Seis Dias. Simbolizada pela unificação de Jerusalém, a vitoriosa campanha israelense trouxe consequências que até hoje afetam o Oriente Médio, como a ocupação da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, onde vive a população palestina.   Pág. 44

Koala        
Clique na Imagem para vê-la Maior
O Versátil Bimotor da AgustaWestland
Por: Luciano Melo Ribeiro

Com mais de 282 exemplares vendidos, o versátil AW119 Koala vem se tornando um dos principais helicópteros de sua classe, conquistando cada vez mais clientes nos mercados civil, militar e paramilitar.   Pág. 60

Perdido na Selva!        
Clique na Imagem para vê-la Maior
A Saga do FAB 2068
Por: João Batista Fusquine

Há 50 anos ocorreu a maior missão de busca e salvamento da história da Força Aérea Brasileira (FAB), envolvendo mais de 250 militares, 33 aeronaves e helicópteros, que voariam mais de mil horas em 237 missões. O Douglas C-47 do 1o/2o GAV acabou caindo por pane seca próximo a Tefé/AM, ficando por mais de dez dias desaparecido, até que fosse finalmente localizado. Milagrosamente cinco dos 25 tripulantes sobreviveram, mostrando que havia valido a pena não desistir. A missão SAR para localizar o FAB 2068 foi tão épica, que acabou sendo lembrada como Dia da Aviação de Busca e Salvamento na FAB.   Pág. 68

76 Coréia do Norte Urgente!        
Clique na Imagem para vê-la Maior
Por Dentro da Força Aérea de Kim Jong-Un
Por: dr. Sean Wilson

A Coreia do Norte é atualmente um dos maiores enigmas do mundo. Não se trata de uma potência econômica ou cultural, mas procura se apresentar como um poder militar com capacidade de se fazer respeitar não só na Ásia, mas em todo o planeta. Recentemente tem desafiado os Estados Unidos ameaçando lançar foguetes armados com ogivas nucleares com propósitos que poucos conseguem entender. Envolvida numa sangrenta guerra com a Coreia do Sul, a partir de 25 de junho de 1950, acabou se tornando um dos regimes mais fechados do planeta, acessível somente a pouquíssimos ocidentais. É por causa do recente retorno daquele país controlado a mão de ferro por Kim Jong-Un que resolvemos resgatar uma reportagem realizada por um de nossos correspondentes, o dr. Sean Wilson, que lá esteve no ano passado conhecendo a sua força aérea, cuja capacidade de combate, assim como a do país que defende, é no mínimo enigmática.   Pág. 76

                                                                                                                                                                                                               

 
 

Copyright © 1995 - 2017 - Action Editora Ltda. Todos os direitos reservados.
Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização